Le Magazine Accor Hotels

Mês do orgulho LGBT: para onde ir e o que fazer

Confira dicas para onde viajar, como celebrar e saiba mais sobre a história da celebração.

O Mês do Orgulho LGBTQIA+ é recheado de eventos para celebrar a importância desse período. Diversos lugares do Brasil fazem paradas e desfiles para colocar a causa LGBTQQICAPF2K+ em evidência, celebrar as conquistas e ainda conscientizar a população como um todo.

Lgbtqia+: o que significa

A sigla mais recente é LGBTQQICAPF2K+ que engloba pessoas:


  • Lésbicas

  • Gays

  • Bissexuais

  • Transexuais

  • Queer

  • Questionando

  •  Intersexo

  • Curioso

  •  Assexuais/Arromânticas/Agênero

  • Pansexuais/Polissexuais 

  • Familiares

  • Two Spirit

  • Kink


Lésbicas e pessoas gays são aqueles que sentem atração pelo mesmo gênero. Já os bissexuais e polissexuais se envolvem com dois ou mais gêneros respectivamente. 


Já a pessoa transgênero se considera de um gênero diferente do que nasceu. Ainda assim, travestis e não-binários, que podem se encaixar nesta definição, se identificam como trans.


Queer significa “estranhe”, termo que gera identificação de pessoas que não querem ou sabem definir seu gênero. Mas o termo também pode abranger pessoas fora das normas de gênero, sexo e relacionamentos.


Já as pessoas intersexo são aquelas que, congenitamente, não se encaixam no binário em questões hormonais, genitais, cromossomos, entre outras. 

O A na sigla inclui diversas orientações, como as pessoas assexuais, que nunca - ou raramente - sentem atração sexual; arromânticas, que nunca - ou raramente - se apaixonam; e akoirromântique, que não consegue continuar apaixonada uma vez que a outra pessoa também está apaixonada pela pessoa akoirromântica; agênero, que não possuem gênero e nem se consideram trans ou não-binárias.


A letra P pode ser de pansexuais, que se sentem atraídos por todos ou independentemente do gênero; e/ou polissexuais ou polirromânticas, que sentem atração por muitos gêneros.


As pessoas não-binárias são aquelas que não são somente, completamente e sempre homens ou mulheres, englobando pessoas sem gênero, com gêneros diferentes, com gêneros separados e com gêneros semelhantes.


Vale lembrar que na sigla mais recente LGBTQQICAPF2K+ foram incluídas também 2 de Two Spirit (pessoa que concilia o gênero masculino e feminino no mesmo corpo) e até mesmo alguns fetichistas representados pelo K de Kink (que engloba fetichismo).


Mês do orgulho LGBT: qual a importância?

O Mês do Orgulho LGBT é de suma importância para a comunidade. É um período de luta contra a discriminação e a favor dos direitos das pessoas que se identificam com a sigla. Segundo a comunidade, o mês não é para ensinar sobre tolerância, porque se trata da aceitação e respeito pela diversidade de gêneros, sexualidades, relacionamentos e lifestyles.  


Alguns passos importantes já foram dados para que a comunidade LGBTQIAPN+ conquiste direitos básicos, como casamento, adoção, doação de sangue, nome social, tratamentos médicos, não ter a orientação sexual classificada como crime ou doença, entre outros.  Mas, há ainda muito mais a ser conquistado pela comunidade LGBTQIA+ no Brasil e no mundo.

Para celebrar as vitórias conquistadas e as que ainda serão, a dica é aproveitar o mês de junho para participar não apenas da Parada LGBT, mas também para colocar o pé na estrada e vivenciar a diversidade pelo país afora ou até mesmo viajando pelo mundo.


Mês do Orgulho LGBTQIA+: por que é comemorado em junho?

Junho foi escolhido como o Mês do Orgulho LGBT por causa das manifestações que ocorreram em 28 de junho de 1969, nos Estados Unidos, conhecidas como a Rebelião de Stonewall.


Trata-se de uma série de protestos espontâneos de membros da comunidade contra uma invasão da polícia de Nova York, ocorrida em 28 de junho de 1969, no bar Stonewall Inn, localizado no bairro de Greenwich Village, em Manhattan, nos Estados Unidos. 


A Rebelião de Stonewall durou semanas, com ativistas do bairro organizando grupos para concentrar esforços no estabelecimento de lugares em que gays e lésbicas pudessem frequentar sem medo de serem presos.


Depois dos motins de Stonewall, várias organizações de direitos homossexuais foram fundadas nos Estados Unidos e no resto do mundo. 


É considerado o evento mais importante para os LGBTs, já que originou o movimento moderno de libertação gay e a luta pelos direitos dos gays no país em 28 de junho de 1970, celebrando o aniversário da causa LGBTQIA+. Por isso, as primeiras marchas do orgulho gay aconteceram em:



.É nesta data, aliás, que se comemora o Dia do Orgulho LGBT. No Brasil, a Parada de São Paulo acontece desde 1997, e diversas outras já ocorrem em outras regiões do país. 


Como comemorar o Mês do Orgulho LGBT?

O Mês do Orgulho LGBTQIA+ é recheado de eventos para celebrar a importância da data. Além das diversas paradas pelo mundo e, em nosso país, há a Parada Gay de São Paulo, já que foi considerada a maior parada gay do mundo, sendo o evento que mais atrai turistas à cidade. No Brasil inteiro, fica atrás apenas do Carnaval do Rio, quando são considerados os viajantes internacionais.


A festa tem trios elétricos, shows e já contou, inclusive, com a participação de atores da Netflix, que vieram à capital paulista para gravar cenas da série “Sense8”.


 Além disso, em 2014, a atriz Lea DeLaria, de “Orange Is the New Black”, também do serviço de streaming, participou da Parada, assim como os colegas de elenco Uzo Aduba, Natasha Lyonne e Samira Wiley fizeram no ano seguinte.


 


Outra dica incrível é se informar mais sobre a data com livros importantes para entender melhor o movimento LBGTQIA+, como “Devassos no Paraíso” e “História do Movimento LGBT no Brasil”. 


E também participar mais ativamente da comunidade gay inclusive prestigiando eventos de cultura LGBT, inclusive da cultura queer que é um capítulo à parte, entre outros. Não falta opção de entretenimento e conscientização principalmente no mês de junho em todo o país.

Dia do Orgulho Gay (LGBTQIAPN+)

O Dia do Orgulho LGBTQIAPN+ é celebrado em 28 de junho por causa da Rebelião de Stonewall ocorrida em 1969, quando policiais de Nova York invadiram Stonewall Inn, lugar conhecido por receber pessoas da comunidade. 


A partir do ano seguinte, no aniversário do ocorrido, surgiram as primeiras marchas do orgulho gay em Nova York, Los Angeles, São Francisco e Chicago. Como a data se tornou um marco para a libertação gay, nasceu o Dia do Orgulho Gay para relembrar e celebrar a diversidade todos os anos em junho.

Parada LGBT

A Parada LGBT acontece sempre em junho, quando é comemorado o Mês do Orgulho LGBTQIA+. Trata-se de uma série de eventos de ações voltadas para a comunidade. Os eventos são para comemorar a consquista de direitos básicos, mas também para requerer outros e protestar contra a LGBTfobia (homofobia, transfobia, bifobia, etc.)  


As primeiras Paradas do Orgulho Gay, como também são chamadas, ocorreram em 1970, em Nova York, Los Angeles, São Francisco e Chicago, um ano após a Rebelião de Stonewall. No Brasil, o primeiro evento do porte ocorreu apenas em 1997, em São Paulo e inspirou muitas outras várias cidades brasileiras a celebrarem também a data com paradas gay.

LGBT Folia

O carnaval também adentra as comemorações da comunidade LGBTQIA+. Em janeiro de 2019, em Manaus, o evento LGBT Folia promoveu muita diversão, diversidade e reflexão na capital amazonense. A festa contou com shows e apresentações de DJs com sets marchinhas de carnaval, samba e hits da época.


Mas também há carnaval na comunidade gay espalhado pelos mais diversos cantos do país. Em Volta Redonda, no estado do Rio de Janeiro, o bloco LGBT Fobia também proporciona muito entretenimento para os presentes, sempre com a diversidade e a reflexão no foco também.

5 destinos para curtir o mês do orgulho gay

Quer curtir o Mês do Orgulho LGBT viajando? Separamos cinco destinos onde a diversidade e a alegria rolam soltas. Confira as dicas:

São Paulo: grande diversidade de lugares LGBT para curtir

A capital paulista talvez seja o melhor lugar do Brasil para a comunidade LGBT se jogar na diversão. Com diversos centros culturais, a Avenida Paulista é uma das regiões mais movimentadas de São Paulo. Nas proximidades, na Rua da Consolação, uma dica é o Bar da Dida, com gastronomia africana.


O agito também acontece no Baixo Augusta, com lojas e centros culturais, além de bares como Bofetada Club, Barão de Itararé, Z Carniceria; assim como na Rua Dr. Vieira de Carvalho, região central de SP, que atende aos mais diversos estilos. Desde balada de música eletrônica a barzinhos frequentados por um público mais velho. Fica a dica para conhecer também as famosas casas noturnas Blue Space e Club Yacht.


E para aproveitar tudo o que São Paulo podeproporcionar a comunidade LGBT, a dica é se hospedar no ibis Styles SP Centro, com ótima localização, decoração temática e diferentes opções de acomodação.

Rio de Janeiro: praia e lugares gay-friendly na zona sul

A Cidade Maravilhosa já foi eleita como melhor destino de praia LGBT em 2016. Sem dúvida, a capital fluminense é um lugar perfeito para você curtir só se preocupando em se divertir.


Um dos lugares mais conhecidos do Rio de Janeiro para a comunidade é o Posto 8, em Ipanema, também conhecido como Farme Gay, onde um trecho da areia é delimitado pelas bandeiras do arco-íris. Perfeito para fazer amigos e paquerar. A rua Farme de Amoedo, em Ipanema, aliás, é considerada o reduto gay na cidade, com bares e restaurantes.


Mas a Praia de Copacabana também tem seu lado LGBT, com o quiosque Rainbow. Em Botafogo, também tem diversos bares na Rua Voluntários da Pátria. Para quem prefere dançar, a Galeria Café é um dos melhores lugares do Rio de Janeiro. Mas vale também conhecer a Casa Nem, no Flamengo, uma ONG de acolhimento LGBTIA+, vegana, com projetos sociais voltados para comunidade carente.


Então desfrute de tudo o que a Cidade Maravilhosa proporciona com conforto e segurança. A dica é ficar no Novotel Rio de Janeiro Leme, que fica próximo a todas as atrações turísticas com facilidade de transporte público.

Florianópolis: cidade com maior número de gays do Brasil

A capital de Santa Catarina tem diversas praias gay-friendly e lugares para a comunidade LGBT se divertir à vontade. A Praia Mole tem o Bar do Deca, um dos bares gays mais importantes de Florianópolis. Outras praias que acolhem bem o público são as da Galheta e da Joaquina.


Entre as casas noturnas, vale conhecer o Blues Velvet Bar, o Bar Madalena e o Jivago Social Club. Além disso, Floripa ainda reserva saunas para relaxar. Então, a dica é se hospedar no ibis Florianópolis, que, além de bem localizado, tem todo conforto e infraestrutura que você precisa.

Belém: opção de destino gay-friendly no norte do Brasil

A capital do Pará  também tem muitos lugares interessantes para a comunidade LGBT. A Boate Pride é um dos pontos mais badalados entre os gays. Além disso, Belém também abriga a famosa Feira de Empreendedores LGBTQIA+, que, em 2022, realizou sua oitava edição.


Então, aproveite as belezas do Pará com uma estadia confortável, acessível e moderna. Além da ótima localização, o Mercure Belém Boulevard proporciona uma ótima experiência para quem vai conhecer a capital paraense.

Salvador: excelente destino LGBT no Nordeste

A Praia de Porto da Barra, umas das mais bonitas de Salvador, é o “point” preferido da comunidade gay no litoral soteropolitano, com clima descontraído e muita paquera. No fim da tarde, principalmente no domingo, o agito fica no parapeito da calçada, no Sofá da Hebe.  


No Rio Vermelho, o bar SAN é o lugar ideal para dançar e se divertir. Com música eletrônica, axé e vários outros estilos de música, o local ainda serve drinks descolados. Então, fica a dica para se hospedar no Mercure Salvador Pituba Hotel. Assim você curte o que tem de melhor na capital baiana com proteção e conforto.


3 Destinos gay friendly no mundo

Na Europa e na América do Norte, em junho, é verão. Além dos dias de sol e calor no coração nessa época, no hemisfério norte há alguns países que são ótimos destinos LGBT para celebrar o Mês do Orgulho Gay como:

Espanha

A Espanha é um dos melhores lugares para a comunidade LGBT visitar. A vida noturna em Barcelona é uma das mais agitadas da Europa e a cidade é uma das mais vibrantes do continente, com cores por todos os lados.


Em Madri, o bairro Chueca abriga os lugares LGBT friendly espanhóis, enquanto Sitges realiza o festival Bear Sitges Week em setembro. A praia de nudismo de Balmins também fica lotada e é um ótimo lugar para paquerar.

Canadá

Um dos melhores lugares friendly da América é o Canadá, um país muito avançado nessa questão, inclusive com a participação de Justin Trudeau, primeiro-ministro do país na Parada LGBT de Montreal. A Pride Toronto, aliás, é uma das maiores do mundo e acontece em junho, enquanto a Montreal Pride ocorre em agosto.


Toronto é a cidade mais aberta para a comunidade LGBT do Canadá. A cena gay na capital da província de Ontário é tão grande que a série Queer as Folk, que se passava em Pittsburgh, nos Estados Unidos, foi filmada na região. Já em Montreal, o Gay Village, com uma atmosfera alegre e uma cena noturna agitada.

Inglaterra

A Terra da Rainha também não fica atrás quando o quesito é diversidade. O Reino Unido tem uma ampla divulgação relacionada ao segmento, através da campanha Love is Great. Brighton, uma pequena cidade na costa sul da Inglaterra, é considerada como um paraíso para a comunidade gay. A região transpira arte, além de possuir parques e outros atrativos turísticos muito interessantes.


Além disso, a Inglaterra também realiza eventos como a Pride in London, que figura entre as maiores paradas do mundo e acontece de junho a julho, e a Brighton Pride + Hove, que ocorre em agosto. Uma dica é visitar o bairro de Soho, em Londres, com vários bares, pubs e casas noturnas frequentadas pela comunidade LGBT.

San Francisco (Estados Unidos)

San Francisco, na California, nos Estados Unidos, é uma das principais cidades para se orgulhar de sua história na luta pelos direitos LGBTQ+. Saiu de lá o primeiro bar gay e a primeira parada do orgulho gay. Além disso, foi o primeiro lugar a liberar o casamento de pessoas do mesmo sexo e até a bandeira listrada com as cores do arco-íris, símbolo do movimento, foi criada lá.


Além disso, San Francisco abriga ainda o Castro District, considerado o primeiro bairro gay do mundo, onde o primeiro político americano assumidamente homossexual e um dos nomes mais importantes na luta pelos direitos dos LGBTs, começou seu ativismo e foi assassinado em 1978. A região é cerca de lojas, bares, boates e restaurantes voltados para esse público-alvo.


Para aproveitar toda essa aura e esse orgulho gay de San Francisco, a dica é se hospedar no hotel Fairmont Heritage Place, com todo o luxo e conforto que você necessita para se divertir e relaxar.


Divirta-se pelo Brasil e pelo mundo exaltando a sua orientação no Mês do Orgulho LGBTIAPN+. Seja ainda feliz com o apoio dos hotéis rede Accor nos melhores momentos de sua vida.

Você curtiu? Compartilhe!

Por aí

Mais ideias de viagens

Encontre seu destino perfeito

Com o Radar de Viagens

Descubra